Quarta-Feira, 11 de Abril de 2018, 15h:35

Tamanho do texto A - A+

História de Cuiabá - III

A cidade foi palco de diversos movimentos revolucionários ocorridos nos primeiros anos da República

Por: EDUARDO POVOAS

Mayke Toscano

Eduardo Póvoas/artigo

 

EPIDEMIA DE VARÍOLA - Logo após a retomada de Corumbá, a 13 de junho de 1867, Cuiabá foi assolada por uma terrível epidemia de varíola que havia sido introduzida em Corumbá pelos Paraguaios e que ceifou grande parte da população da capital.

 

ABOLICIONISMO E REPÚBLICA - Todos os movimentos que apaixonaram a alma nacional tiveram a maior repercussão em Cuiabá, a despeito  e sua distância do centro das grandes decisões nacionais. Assim foi com a Independência, com o abolicionismo e com a República.

 

Três sociedades abolicionistas foram fundadas em Cuiabá e ficou célebre o movimento dos advogados que militavam no foro da cidade, que em abril de 1888 firmaram um pacto de não mais aceitarem o patrocínio de nenhuma causa contra a liberdade de escravos e de aceitarem todas contra a escravidão.

 

Também o movimento republicano encontrou eco na Capital onde foi lançado em 1888 um manifesto para a fundação de um Partido Republicano e onde surgiram dois jornais para a pregação dos novos ideais.

 

REVOLUÇÕES - A cidade foi palco de diversos movimentos revolucionários ocorridos nos primeiros anos da República, para a sua consolidação.

 

Registramos a de 1892, que depôs o Presidente Manoel José Murtinho, com a consequente contra revolução, chefiada por Generoso Ponce que devolveu o poder a Murtinho, conhecida como “reposição da legalidade”.

 

As agitações havidas no governo do Cel Alves de Barros culminaram na chacina da “Bahia do Garcez” onde foram trucidados 17 personalidades e cidadãos ligados à oposição. Esse agitado período termina com a revolução de 1906 também liderada por Generoso Ponce com a colaboração de Pedro celestino, quando se efetivou o cerco da capital pelas forças revolucionárias, encerrando-se o movimento com o assassinato do Presidente Antonio Paes de Barros (o Totó Paes) que fugira da cidade.

 

DESENVOLVIMENTO SOCIAL - Com o termino da guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai, foi restabelecida a navegação no Rio Paraguai, o que contribuiu para o desenvolvimento do comércio e para a vinda para Mato Grosso pela via fluvial do Prata, de construtores Italianos e Espanhóis, que aqui implantaram um novo estilo arquitetônico, iniciando a transformação do aspecto urbanístico de cidade que até então era o de uma típica vila portuguesa do norte de Portugal com seus sobrados e casas senhoriais.

 

A indústria extrativista da borracha que atingiu o seu auge no pais no início do século, também praticada nas matas do norte do estado, impulsionou o desenvolvimento do comércio local. Cuiabá passou a comercializar direto com a Europa exportando borracha e importando tecido, utensílios domésticos, artigos manufaturados, vinho e cerveja. Vários bancos Franceses Italianos e Alemães instalaram representação na capital mato-grossense.

 

A indústria do açúcar tomou impulso nas margens do Rio Cuiabá onde floresceram nove usinas e muitos engenhos. Itaici chegou a ser a quarta usina do país em produção.

 

Continua.

 

*EDUARDO PÓVOAS é pós graduado pela UFRJ.

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto