Sexta-Feira, 05 de Janeiro de 2018, 09h:15

Tamanho do texto A - A+

Médica envolvida em morte de prefeito pode fugir usando avião, diz juiz ao negar liberdade

Por: JESSICA BACHEGA

O juiz Ricardo Nicolino de Castro, que atua no plantão judicial em Colniza (distante 1114km de Cuiabá), ressalta em sua decisão que negou liberdade à médica Yana Fois Coelho de Alvarenga, porque a acusada pode inibir testemunhas e atrapalhar a coleta de provas quanto a investigação da morte do prefeito da cidade, Esvandir Antônio Mendes, em dezembro de 2017. O magistrado frisa ainda a possibilidade de fuga, visto que a investigada é dona de um avião.

 

colniza.jpg

 Prefeito foi morto com vários tiros dentro de sua caminhonete

O chefe do Executivo municipal foi morto a tiros, em sua caminhonete, no dia 15 de dezembro e Yana é considerada uma das mandantes do crime.

 

Na decisão, que acolheu a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra os acusados: Antônio Pereira Rodrigues Neto e a esposa, Yana Fois Coelho Alvarenga, citados como mandantes do crime e  Zenilton Xavier de Almeida e Welison Brito Silva como executores do homicídio, o magistrado avalia também o pedido de liberdade da médica. A defesa alega que a manutenção da reclusão é desnecessária e que a própria determinação da prisão foi descabida. “Ora, se fosse descabida, com certeza não teria sido decretada”, enfatiza o magistrado.

 

No mesmo documento o juiz acolhe o parecer do MPE para que converta a prisão provisória da médica em preventiva. Ricardo Nicolino afirma que a investigada teve papel importante na execução do crime, pois apresentou o esposo aos demais acusados e ajudou na fuga os mesmos.

 

O magistrado enfatiza, ainda, que a acusada tem grande poder econômico e influência na região, o que pode ser usado para coagir testemunhas e atrapalhar as investigações. “[...] é de pressupor que a evasão da ação da Justiça, sendo salutar destacar que a representada tem as sua disposição uma aeronave que foi por ela mesma declarada. O que pode facilitar o risco de fuga”, ressalta o juiz. 

 

Em seu depoimento a polícia, Yana declarou que usou o avião para transportar os  advogados que atuam em sua defesa após a acusação do crime. Os advogados da médica ainda alegaram os bons predicados da cliente para tentar sua soltura, mas o juiz avaliou como insuficientes tais elementos.

 

A médica está presa no Presídio Feminino Ana Maria do Couto May, em Cuiabá. 

 

Leia também

Juiz acolhe denúncia oferecida pelo MPE contra acusados de matar prefeito de Colniza

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto