Sexta-Feira, 01 de Dezembro de 2017, 15h:10

Tamanho do texto A - A+

Polícia Federal investiga desaparecimento de jovem de Cuiabá que viajou à Síria

Por: DA REDAÇÃO

A Polícia Federal investiga o desaparecimento da servidora da Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Juliana Cruz, que viajou para a Síria em novembro deste ano. De acordo com os familiares, a mulher mora em Cuiabá e teria ido ao Oriente Médio encontrar um homem que conheceu pela internet. No entanto, depois da viagem, ela não foi mais localizada.

 

montagem ju.jpg

 

Os parentes de Juliana registraram um boletim de ocorrência, na quarta-feira (29), data em que a servidora deveria retornar a Cuiabá. Juliana está de férias da AMM, com volta programada aos trabalhos para a próxima semana. Em uma recente postagem na rede social Facebook, a auxiliar administrativa colocou uma foto feita no carro e o sírio comentou em português. Na legenda o homem escreveu: "Não devemos nos render".

 

Em outra foto, o homem aparece segurando uma AK47, com os dizeres: “Como é que vocês vivem aqui? Não estamos a viver, só estamos a adiar a morte, até que a vida nos assente”.

 

A reportagem entrou em contato com assessoria de imprensa da Polícia Federal que disse que os familiares da mulher já procuraram a instituição e que o desaparecimento está sendo investigado. Os policiais disseram que estão sendo realizadas buscas para descobrir o paradeiro da garota e também contatos com embaixadas, consulados e organismos internacionais.

 

Associação Mato-grossense dos Municípios emitiu nota informando que entregou à Polícia Federal o computador usado pela funcionária, para que a investigação possa apurar informações que possam ser relevantes para o caso. Conforme a AMM, nenhum mandado de busca foi cumprido no local.

 

Juliana Cruz trabalha como auxiliar administrativo na coordenação jurídica da AMM.

 

A AMM declarou solidariedade ao caso, por parte da direção e dos funcionários da Casa.

 

Vale lembrar que uma guerra civil ocorre na Síria desde 2011. A situação é considerada pela ONU a maior crise humanitária do século XXI. Cerca de 250 mil pessoas já foram vítimas da guerra e mais de 4,5 milhões deixaram do país.

 

 

Veja a nota da AMM

 

Associação Mato-grossense dos Municípios, esclarece sobre as notícias veiculadas sobre o suposto desaparecimento da funcionária Juliana Cruz. A AMM informa que não foi realizada nenhuma diligência pela Polícia Federal na sede da instituição para apreender o computador que era utilizado pela funcionária. Com intuito de auxiliar nas investigações, o notebook que era utilizado pela funcionária, foi cedido para que a Polícia Federal possa extrair alguma informação relevante. Dentro do possível, a AMM está auxiliando a polícia, com as poucas informações que detém sobre o caso.

  

A funcionária Juliana Cruz não é assessora jurídica da AMM. Ela trabalha como auxiliar administrativo na Coordenação Jurídica da instituição. Juliana está em férias, com a previsão de retorno as suas funções na próxima semana.

 

A Diretoria e os funcionários da Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM estão sensibilizados com o ocorrido com a funcionária Juliana Cruz e são solidários com toda a família neste momento de muita preocupação e angústia.  Juliana está supostamente desaparecida, pois teria que ter retornado esta semana da Síria, para onde viajou no início deste mês. Porém, não retornou e há dias não entra em contato com a família.

 

A AMM se solidariza com a situação, mas ressalta que em período de férias os funcionários têm liberdade para viajar para onde quiserem, pois se trata de uma decisão pessoal e particular. Porém, anseia que o caso seja esclarecido o mais breve possível na esperança de que a funcionária retorne ao país, bem como aos quadros funcionais da instituição.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1

Leia mais sobre este assunto