Segunda-Feira, 31 de Julho de 2017, 14h:58

Tamanho do texto A - A+

Acusado de esmagar cabeça de desafeto e enterrar corpo com cimento é absolvido

Por: JESSICA BACHEGA

O Conselho de Sentença que participou do julgamento de Murillo de Freitas Correia Ferreira entendeu que não há provas suficientes contra o réu e o absolveu da acusação de ter matado a pedradas Alexandro Augusto Coelho da Cunha, conhecido como “Brucutu”. Além do homicídio, pesava contra ele a ocultação de cadáver, já que o corpo foi encontrado em um terreno baldio do bairro CPA II. A sentença foi determinada pela juíza Mônica Cataria Perri, da Primeira Vara Criminal de Cuiabá, acolhendo a decisão dos jurados.

 

Izabel Barros/ GD

corpo cimento alexandro

 Corpo estava pedrificado em terreno baldio

Conforme os autos, o acusado Murilo e o comparsa, Josean Deivison de Souza Magalhães, teriam e encontrado a vítima para cobrar dívidas referentes a compra e venda de drogas.

 

Durante o encontro, os acusados se irritaram com a vítima e então Josean o atingiu com uma paulada nas costas. Quando Alexandro caiu, a dupla passou a dar pedradas e chutar a cabeça da vítima, causando as lesões que o levaram a morte.

 

Assim que constataram a morte da vítima, a dupla então jogou o corpo em um buraco e cobriu com panos, cal e cimento.

 

O corpo do homem foi localizado no dia 19 de novembro de 2014, cerca de cinco dias após seu desaparecimento, petrificado e enrolado em um lençol vermelho.

 

O crime foi denunciado por uma testemunha que soube que Josean que tinha matado Alexandro. Os policias, então prenderam a dupla e conseguiram localizar o cadáver.

 

 

Murillo estava recolhido no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC) e teve seu alvará de soltura expedido por determinação da juíza após a sentença. O processo contra Josean foi desmembrado e não há previsão para seu julgamento. Ele está recolhido no Centro de Custódia da Capital (CCC).

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto